fbpx
“Quem não se comunica, se Trumbica”

“Quem não se comunica, se Trumbica”

Como falhas de comunicação podem enfraquecer uma ideia

Por Alan Marques

Vale lembrar, Abelardo Barbosa, saudoso Chacrinha, [1]dizia em seus programas de auditório, tanto no rádio quanto na tevê, a frase “Quem não se comunica, se trumbica” para sintetizar o poder da comunicação em massa. O que valeu para o “Velho Guerreiro” vale para o empresário que quer se comunicar com o seu cliente para fazer negócio.

Por isso, é preciso pensar no processo de comunicação com uma ação racional com etapas a serem seguidas e objetivos a serem alcançados. Defender a “racionalização do trabalho[2] (DUARTE, 2009, pág. 127) comunicacional é vital para as empresas. Esse processo passa por:  planejar minuciosamente as etapas, coordenar das atividades e definir os objetivos

Antes de finalizar, é importante apontar que o processo de comunicação não pode ser uma balbúrdia, do latim balbus que significa gago: sujeito articula mal as palavras e as pronuncia com dificuldades; exprimir-se com indecisão[3]

Nesse caso, a gagueira comunicacional em uma empresa cria barreiras entre o objetivo do negócio e o cliente alvo da empresa. Esse ruído na mensagem pode ser entendido como índice de enfraquecimento, desgaste da marca e dificuldade da marca em se posicionar no mercado.

Aristóteles levantou em seu livro Ética a Nicômaco a questão: “quando a fortuna nos sorri, para que precisamos de amigos?”. É uma boa pergunta a ser feita para o empresário, afinal “A sorte não existe – Aquilo a que chamas de sorte e o cuidado com os pormenores”[4]

Ou seja, o planejamento comunicacional não deixa o seu negócio alheio aos ventos do boa fortuna. 

[1] BARBOSA,Rito FLORINDA, Lucia. Quem não se Comunica se Trumbica. 1ª ed. Rio de Janeiro/ RJ: Editora Globo 1996

[2] DUARTE, Jorge. Assessoria de Imprensa e Relacionamento com a Mídia – teoria e prática. 2ª Ed. São Paulo/ SP: Editora Atlas S.A – 2009

[3] Dicionário Online de Português https://www.dicio.com.br/pesquisa.php?q=gagueja

[4] CHURCHILL, Winston. Memórias da Segunda Guerra Mundial – vol. 1. Tradução Vera Ribeiro. Rio de janeiro/ RJ: Editora Nova Fronteira -2005

shares
× Atendimento